Regina Ripamonti

Atualidades e Meio Ambiente

Animais em condomínio - Parte I: Introdução

A imposição de normas restritivas aos tutores e animais, através de regras abusivas, vão contra o direito de posse de propriedade de imóvel e prejudicam o bem-estar dentro do condomínio aqueles que tem "pets"

  abr 02, 2015     21:50
Animais em condomínio - Parte I: Introdução
Um condomínio de apartamentos ou de casas deve funcionar como uma pequena comunidade, onde cada membro divide os espaços comuns, no ônus e no bônus. Os animais de estimação fazem parte desta comunidade e como tal tem direitos, mas também tem deveres.

Inicialmente, entre 25.000 e 50.000 anos atrás, a parceria "humano" X "bicho", tinha fins utilitários. Sendo que o primeiro registro concreto entre o elo emocional entre um ser humano e um animal ocorreu há 12.000 anos.

Atualmente, muitas famílias tratam seus pets como parte da família. Portanto, nada mais natural que em seu lar e em suas vidas procurem espaços saudáveis para estes.

Alguns condomínios já estão sendo projetados com espaços específicos para o entretenimento dos animais, são os chamados espaços pets". Porém, na contramão do anseio de grande parte da população, quase a totalidade dos condomínios, impõe regras restritivas aos animais que os impedem de tomar sequer um banho de sol numa área segura, dentro do próprio condomínio, mas longe dos automóveis e que não ofereçam riscos aos seus acompanhantes.

Portanto, para se conquistar mudanças é preciso antes de mais nada mudar a concepção que grande parte da população tem, de que os animais de estimação são sujos e transmissores de doenças. Em virtude disso, se recusam a compartilhar, por exemplo, o mesmo elevador.

Há que se notar que essas pessoas não se dão conta da sujeira que trazem consigo em seus sapatos e mãos. Possivelmente, os cães é que se afastariam, caso soubessem a quantidade de doenças, que podemos transmitir depois de manusear uma cédula de dinheiro.

Para ficar mais didático, subdividi esse assunto em mais três partes:
Parte II: Deveres dos tutores e dos animais de estimação em condomínios residenciais
Parte III: Direitos dos tutores e dos animais de estimação em condomínios residenciais
Parte IV: Leis que podem ser úteis




Autor

Regina Ripamonti

Formada em Biologia e Pedagogia e com mais de 25 anos de atuação na área de Educação, Regina Ripamonti usará seu espírito investigativo e crítico para trazer assuntos de interesse veterinário e de educação ambiental, na busca de redefinição das relações do ser humano com o meio ambiente e a reafirmação de sua interdependência.

Relacionados

Comentários

Este post não possui nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário

 


  Respondendo ...